Diferentes Formas de Degradação Ambiental

Para um melhor entendimento vamos classificar as formas de degradação em: degradação urbana e degradação rural, uma vez que tanto os agentes quanto as consequências são diferentes nos dois casos.

Degradação urbana

No meio urbano encontramos degradação em diferentes formas, a começar como já falamos, pela presença da cidade em si, se imaginarmos o cenário com a cidade e sem ela imediatamente é possível visualizar os problemas causados.

O solo, antes recoberto por vegetação que ao receber água da chuva permitia que esta fosse infiltrada e que reabastecesse os lençóis freáticos e os cursos d’água, e o ar, antes livre de partículas tóxicas e matéria em suspensão, permitia trocas de gases e calor, são os que mais sofrem com a degradação só pela instalação de uma zona urbana.

Ao se estabelecer uma cidade alguns problemas surgirão, com ela virá o asfalto impermeabilizando o solo, impedindo a infiltração das águas da chuva e alterando o ciclo hidrológico, absorvendo o calor e criando novos limites de temperaturas na região. Com o asfalto virão os automóveis e com eles a poluição atmosférica, liberando partículas sólidas que impedirão o calor voltar a atmosfera, criando efeito estufa sobre a cidade, além dos problemas respiratórios e alérgicos. Para atender a demanda de consumo desta cidade algumas fábricas se estabelecerão no seu entorno e possivelmente irão liberar mais partículas poluidoras na atmosfera e efluentes líquidos no solo ou nos mananciais hídricos, tornando-os impróprios para cultivo ou consumo. O lixo gerado pelas indústrias e pelas famílias desta cidade deverá ser depositado em um aterro sanitário e estes também liberam gases e chorume e quando não são bem dimensionados e construídos de maneira adequada irão poluir solo, água e ar.

Algumas pessoas conseguirão cargos e salários que permitirão consumir inadvertidamente, mas a grande maioria será mal paga, viverá na periferia da cidade e não terá acesso ao básico como saúde, saneamento e educação adequada, esta população gerará outras formas de degradação ambiental.

Por não possuírem condições financeiras de se estabelecerem em áreas com infra-estrutura adequada, quase sempre irão para encostas de morros ou áreas que ainda possuem vegetação nativa. É aí que encontramos as primeiras degradações: flora e fauna atacadas e solo exposto. Quando isto acontece numa situação de encosta, nas primeiras chuvas poderão haver deslizamentos de terra e com isso a descaracterização não só biológica mas agora geológica também. Este carregamento de terra levará sedimentos aos riachos  e rios e causará seu assoreamento.

Estas famílias de baixa renda vão jogar seus dejetos nos riachos próximos ou farão fossas artesanais, e tanto um quanto outro poluirão os lençóis freáticos e os cursos d’água. Em alguns casos o lixo será depositado as margens do córrego causando eutrofização do mesmo e em alguns casos inundações.

Estas são apenas algumas das muitas formas de degradação que encontramos nas zonas urbanas

Degradação rural

No meio rural a degradação está muito relacionada ao tamanho da propriedade, do tipo de produção e do poder aquisitivo de seu proprietário. Em grandes propriedades, com produção comercial e cujo proprietário possua muito dinheiro podemos encontrar degradação de água, solo e ar como na zona urbana.

Se o proprietário não maneja bem o solo, em alguns ciclos este estará exaurido e sem capacidade produtiva, podendo ser abandonado e permitindo que haja o carreamento deste solo pelas águas das chuvas até os rios causando assoreamento, se o uso de agrotóxicos não for bem feito também poderá contaminar o solo, ser carreado pela água da chuva ou da irrigação, contaminar os lençóis freáticos e rios.

Quando a colheita ou o preparo do solo é feito com máquinas agrícolas estas liberarão partículas poluentes no ar diminuindo sua qualidade.

Se houver algum tipo de industrialização dos produtos naturais haverão efluentes e outros contaminantes como existem nas zonas urbanas.

Quando o proprietario da terra subsiste dela então as formas de degradação são outras e mais amenas, é o chorume que provém da pocilga e que eutrofiza solos e água, é a lenha que é retirada da floresta dificultando a sucessão natural nos ecossistemas, é a caça e a pesca indiscrimidada de espécies da fauna nativa que por vezes é feita de maneira incorreta, mas são degradações que fazem parte do equilibrio do ecossistema rural e que sempre existiram.

Entretanto, quando o proprietário rico obtém as terras mais férteis e impede o agricultor de subsistência de produzir o sustento de sua família, encontramos novamente o nosso questionamento: será que é a pobreza que degrada o meio ambiente ou o meio ambiente degradado é que aumenta a pobreza?

About these ads

3 Respostas

  1. ameii !

  2. amei add.

  3. adorei me ajudou em uma pesquisa de escola

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: